Como fazer seu conteúdo trabalhar para você

Oi!

Quanto tempo!

Há um tempão atrás, publiquei este lindo e-book sobre elaboração de projetos.

E, veja você: agora, mais do que nunca (especialmente se você for da área de cultura), você precisará reformular seus projetos e pensar mais em marketing. O que você vai oferecer para seus clientes, ou melhor, seus investidores, para convencê-los de que eles precisam apoiar seu projeto?

Você precisa atribuir valor ao seu projeto (ou ao seu produto. Ou aos seus serviços), de forma que compradores/investidores/apoiadores/clientes queiram se associar a ele, independente de ter ou não edital ou lei de incentivo.

E o valor, na verdade, não é algo concreto. É o preço, mas também é a percepção da relação custo-benefício. Então, não basta apenas definir o preço ou as cotas de patrocínio: você precisa convencê-los dessa relação custo-benefício. Geralmente, oferecendo algo em troca.

É um baita desafio. Eu já cantava essa bola antes: edital é legal, mas não dá pra depender de edital. A gente nunca sabe quais serão as políticas públicas para a área, ou os investimentos em editais de fomento.

A gente nunca sabe o dia de amanhã.

E o amanhã chegou. 🙁

Talvez você precise rever seu modelo de negócios. Talvez precise rever seu orçamento. Suas parcerias.

Mas talvez você também precise se promover melhor.

(minha amiga Carolina Barros pode te ajudar a se promover na internet, se você precisar)

via GIPHY

Veja bem: você tem um projeto maravilhoso, mas quem vai botar dinheiro nele talvez não saiba bem quem você é, o que fez antes ou se é capaz de entregar o que prometeu. Talvez seja seu primeiro projeto. Ou produto. Ou você esteja começando a vender seus serviços. Só anexar o currículo não adianta muito: “nossa, como assim ela fez tudo isso e eu nunca ouvi falar?”.

Sim. Se você for uma pessoa conhecida no seu nicho de atuação, fica muito mais fácil encantar seu cliente.

Não é à toa que quando uma marca quer vender um produto, ela apela para os influencers – aquelas pessoas super conhecidas que vendem qualquer coisa só de aparecerem no Instagram.

via GIPHY

Não estou dizendo para você fazer selfie na praia com a legenda “meu escritório é na praia #sextou #galera” pra vender seu produto. Bem, se for pertinente, também não vou dizer pra você não fazer. 😉

Mas você pode e deve se posicionar como autoridade no seu nicho de mercado.

Como?

Bem, eu posso apostar que você já conhece seu nicho de mercado. Que você é boa no que faz. Que você se dedica, que você estuda, que você sabe bem o que está fazendo.

Mas se ninguém souber disso, é como se você fosse o gato de Schrödinger.

via GIPHY

Ou aquela árvore que caiu, ninguém viu, não ouviu e ninguém sabe se caiu mesmo.

Quer ser vista como autoridade? O conteúdo que você publica no seu site, redes sociais e outros materiais de contato com seu cliente ou investidor pode te ajudar – e muito!

  • Seu currículo é muito bom, mas já experimentou contar sua história?
  • Já experimentou mudar a maneira de contar sua história, de modo a gerar conexão com sua audiência, e também a reforçar sua expertise?
  • Entregue conteúdo útil com consistência, e não apenas promovendo seus produtos ou serviços. Se der pra promover seus produtos e serviços, melhor ainda. Mas este conteúdo precisa ser útil.
  • Por útil, quero dizer que este conteúdo precisa resolver problemas da sua audiência.
  • Sim, você precisa saber quais são esses problemas.
  • Você também precisa saber onde seu público está. Centralize seus esforços em poucas plataformas. Pra que usar uma super estrutura de produção de vídeos se seu público estiver majoritariamente no Twitter, por exemplo?
  • Alimente suas redes sociais com conteúdo de qualidade, criando uma base de fãs e seguidores.
  • O conteúdo não é só o que você quer publicar, mas também o que seus fãs querem ver.
  • Por redes sociais, inclua também suas redes sociais offline: trabalho, faculdade, igreja, grupo de estudos, família, aula de dança… não tenha medo de dar conselhos e ajudar as pessoas por medo delas aprenderem a fazer tudo sozinhas e não quererem te contratar. Se você for boa mesmo, você vai ter clientes.
  • Dê presentes – materiais gratuitos para baixar, aulas online, descontos…
  • De preferência, presentes que seu público possa espalhar por aí. Pois aí sua marca será divulgada de graça.
  • Enxergue sua “concorrência” como potenciais parceiros. Porque é isso mesmo que eles são.
  • Divulgue quem faz um bom trabalho.
  • Colabore com outros projetos similares aos seus. Especialmente na internet, você pode escrever para outros sites, oferecer um seminário como bônus no curso digital de alguém em quem você confia, assinar um projeto em conjunto com alguém.
  • Lembre-se que a generosidade compensa.
  • Por último: nunca pare de estudar e de aprender. Renove-se. Recicle-se.

O que você não pode é desistir. Não agora.

Neste momento, a gente precisa resistir.

Vamos nessa. Conte comigo. Bora bombar esse negócio aí, colega.


Horário e informações